Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Perspectivas & Olhares na planície

Perspectivas & Olhares na planície

Há dias em que duvido que seja realmente portuguesa...

Não sabem o que é estar de quarentena?

... Hoje foi um dia desses, em que duvidei se serei mesmo portuguesa dos sete costados:

Calor leva milhares de portugueses às praias no dia em que foi decretada pandemia devido ao coronavírus

 

Alguém que explique a esses burgessos, por sinal partilham a minha nacionalidade, que deviam estar a copiar mais ou menos a vida do Marcelo Rebelo de Sousa, neste momento?  O seguro morreu de velho.  Tenham juízo. 

4 comentários

  • Imagem de perfil

    /i. 12.03.2020

    Olá, Sarin.
    Fui ler os teus comentários.
    Não está provado que o bicharoco não goste de calor. Sim devemos apanhar sol. Mas com cautela. Até porque o sol está baixo ainda, apanhamos constipados de sol. Aquela dor de cabeça que às vezes temos e depois percebemos que estivemos à soalheira.
    A DGS pede que não haja muita aglomeração de pessoas... E não custava nada sermos um pouco como os italianos, chineses, macaenses que permanecem ou permaneceram em casa. Porque as pessoas deviam pensar que o SNS está num caos... Se aumentar ou chegar aos casos de Itália, o nosso SNS colapsa. O hospital de Beja não aceita ninguém caso haja suspeitas ou infectados, são transferidos para Lisboa.

  • Imagem de perfil

    Sarin 12.03.2020

    O único problema da praia é o criarem-se aglomerados - que podem ser facilmente evitados com um pouco de razoabilidade. Estou sozinha, chega um grupo, vou embora. Apanhar sol não significa fazer praia em biquini ou jogar futebol de praia entre amigos :))
    O país tem de abrandar, não parar - até nas caminhadas e idas à praia. Ou nas compras. Porque o isolamento imposto pode ser uma realidade muito em breve, e nessa altura necessitaremos de todo o bem-estar e de todo o ânimo que tenhamos armazenado.

    O Marcelo mantém-se em auto-quarentena. Talvez porque habituou o pessoal a vê-lo no olho do furacão e teme que, ao não o fazer, a sua popularidade seja questionada - como ouvi ontem a uns desconhecidos, "o Marcelo não pode visitar os doentes, está de quarentena"; mas há uma semana ouvi "vê tu bem, o Marcelo não quis ir ao Japão ajudar o Adriano".

    (O sol pode fazer bem ao sistema imunitário e ao ânimo, coisas da bioquímica. Sobre o bicharoco pouco se sabe, mas a humanidade reage sempre à luz do conhecimento em cada era, e neste caso era=dia - a menos que paralisemos).
  • Imagem de perfil

    /i. 12.03.2020

    Olá, Sarin.
    O Marcelo é raposa velha... Mas isso de o culpar de não ter ido ao Japão é parvoíce das pessoas... Ora o que é que iria lá fazer? Temos embaixada, depois no Japão há medidas muito restrintivas para quem vem e não é a rebaldaria que houve de irem visitar os infectados (para mim não vale tudo para se ser popular e cavalgaram a onda). Não precisa de ninguém a atrapalhar... Porque quando os governantes vão a estes sítios (arrastando batalhões de jornalistas) são alocadas pessoas, meios que ficam a faltar onde são precisos na operacionalização dos cuidados de saúde. Um aparato desnecessário quando precisamos é que o Governo tome as medidas e desbloquei dinheiro para os hospitais.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.