Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Perspectivas & Olhares na planície

Perspectivas & Olhares na planície

Qui | 21.01.16

A CP assim o quis: Google Train View não passa pelo Alentejo

/i.

"O Alentejo lembra-me sempre um imenso relógio de sol onde o Homem faz de ponteiro do tempo."

Miguel Torga

 

A CP- Comboios de Portugal fez uma parceria com a Google e assim, podemos viajar virtualmente pelos 700 quilómetros de linha férrea. Diz-se por aí que Portugal é o segundo país europeu, a seguir à Suíça, a proporcionar semelhante brinde a quem quiser conhecer a terra de Afonso Henriques através de uma viagem virtual de comboio. No sítio da Internet da CP - Comboios de Portugal anuncia e promove com pompa e circunstância a viagem virtual:

Descubra uma nova forma de viajar com o Google Train View

Portugal tem muito para descobrir, muito para ver, muito do que se perde quando se viaja de carro.

 

Viaje de forma diferente, com pormenor e profundidade pelos cenários e momentos embrenhados nas paisagens e inspire-se. Novos caminhos, vistas e horizontes em 5 diferentes viagens para contemplar e conhecer, ao custo de um clique.

Veja tudo que pode ver ao ir de comboio e deslumbre-se com a descoberta. A sua viagem começa agora.

 

A experiência é repartida em cinco viagens: linha do Douro, linha de Cascais, linha do Oeste, linha de Sintra e linha do Norte. Fiquei incrédula... e o Alentejo não figura no projeto! Como podem "vender" a ideia que vão conhecer Portugal com cinco linhas que se cingem a algumas regiões de Portugal? Portugal tem muito para descobrir, muito para ver, muito do que se perde quando se viaja de carro. Vão descobrir Portugal pela metade, isso sim. A culpa da falácia não é da Google Train View, mas da CP - Comboios de Portugal.

Seria uma esplêndida iniciativa se a CP-Comboios de Portugal não decidisse ocultar o Alentejo, bem como o Algarve, mas sou alentejana e quero vincar esta atitude desrespeitadora que mais uma vez a CP-Comboios de Portugal tem para com o meu Alentejo.

Alguém já experimentou esta nova ferramenta que permite uma nova forma de conhecer as diferentes paisagens de uma parte de Portugal? Eu não passei pela experiencia da viagem virtual e não vou passar. A razão da birra é só uma: estou farta que o Alentejo seja desvalorizado e desrespeitado. O Turismo do Alentejo não se indigna? Os vários presidentes das câmaras municipais não pedem explicações à CP - Comboios de Portugal? Bem sei que não é uma linha modernizada, no entanto, estão ou não estão a discriminar o sul, e mais se condena este comportamento partindo de uma empresa estatal. Os seus gestores, directores não sabem que Portugal não acaba na linha de Sintra? Ou faltaram a todas as aulas sobre geografia portuguesa, pois é o que parece. Vergonha!

Meus caros, um pouco de história: " a primeira locomotiva fez chiar as suas pesadas rodas na estação bejense a 23 de Fevereiro de 1863, pela uma e meia da tarde, evento celebrado com toda a pompa que a circunstância exigia."1

Perplexamente tornou-se um hábito todos o projetos prometidos para serem implementados no Alentejo, e principalmente no Baixo Alentejo, ficam sempre no papel e aqueles que são realizados ficam incompletos. Assim, o caminho ferroviário também ficaria por concretizar, nomeadamente a linha que iria ligar Barrancos, Moura, Serpa, Ferreira do Alentejo, Santiago do Cacém e Sines. "(...) a linha que se pede é a mais económica e lucrativa que se pode imaginar. A sua construção, pela vasta campina alentejana aproxima-se do patamar, tipo ideal de exploração ferroviária (...)"2

Por causa da falácia da CP - Comboios de Portugal impede os interessados apreciarem através da ainda existente linha férrea a beleza do Alentejo " que é na verdade o máximo e o mínimo a que podemos aspirar: o descampado dum sonho infinito e a realidade de um solo exausto." [Miguel Torga]

 

-------------

1- MATEUS, Rui e Piçarra, Constantino(2010), Beja- Roteiros Republicanos, p.48

2 – O Porvir, 15 de Novembro de 1928, citado por MATEUS, Rui e Piçarra, Constantino(2010), Beja- Roteiros Republicanos, p.49

 

2 comentários

Comentar post