Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Perspectivas & Olhares na planície

Perspectivas & Olhares na planície

Qui | 15.04.10

Repto: Mr. Simon Johnson faça as malas e venha para Portugal, sff!

/i.

REPTO: Mr. Simon Johnson faça as malas para 6 meses (pode convidar também o seu colega Peter Boone, somos um país muito hospitaleiro: há sempre lugar para mais um) e venha para Portugal fazer palestras em todo o país, quando digo todo, não me refiro só às capitais de distrito, é percorrer Portugal Continental e Ilhas de lés a lés, espalhar a sua mensagem-sabedoria-perspectiva (como  nós só acreditamos e damos valor ao que vem do estrangeiro), para exigirmos melhores governantes/políticos e elucidar-nos que não temos só deveres, mas também obrigações e tentar convencer-nos que temos que ser cidadãos mais activos para reverter este status quo.

 

 

Ex-economista chefe do FMI, Simon Johnson (partes a negrito para enfatizar):

 

"O próximo no radar é Portugal. Este país só não está no centro das atenções porque a Grécia caiu numa espiral descendente. Mas estão ambos perto de falência económica e parecem hoje bem mais arriscados do que a Argentina quando entrou em incumprimento, em 2001"

 

bem me parecia, à beira do abismo, portanto...

 

 "Portugal e Grécia vão ter níveis de desemprego elevadíssimos nos próximos anos" e afirmam que "Portugal está esperançado que poderá sair desta situação pelo crescimento, mas isso só poderia acontecer com um extraordinário boom económico".

 

"Os políticos portugueses nada podem fazer senão esperar que a situação vá piorando para depois pedirem ajuda externa"

 

Ah pois, já estava a prever essa afirmação, é o que fazem bem... esperar, esperar... e depois pedinchar a bóia de salvação (a História de Portugal está repleta deste modus operandi)

 

"Portugal gastou demasiado durante os últimos anos, com a dívida pública a atingir os 78% do PIB em 2009 (comparando com 114% na Grécia e os 62% da Argentina, quando entrou em incumprimento). Esta dívida tem sido financiada sobretudo por investimento estrangeiro e, tal como a Grécia, em vez de pagar os juros desses títulos, Portugal optou por, ano após ano, refinanciar a sua dívida"

 

Pois é espírito de português, viver acima das suas possibilidades... dá o passo maior que a perna, não pode ter a rédea curta...

 

"Em 2012, o rácio dívida pública/PIB português deverá atingir 108%se o país atingir as suas metas de corte do défice. Chegar-se-á no entanto a um ponto em que os mercados financeiros vão simplesmente recusar-se a financiar este esquema Ponzi"

 

Excertos retirados da notícia no Diário Económico

 

Ler a notícia na íntegra: "Portugal corre risco de falência económica" (Diário Económico)

Ler o artigo original: The Next Global Problem: Portugal (The New York Times)

 

3 comentários

Comentar post