Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Perspectivas & Olhares na planície

Perspectivas & Olhares na planície

Dom | 20.02.11

Manifestação a 12 de Março da geração “parva” em Lisboa convocada no facebook “assusta” a geração “espertalhona”

/p.

Em Portugal a geração “rasca” dá lugar à geração “parva”… depois virá a geração “demente”, percebe-se pois, facilmente, porque nunca saímos da cauda da Europa.

 

Deixando-nos agora de gracinhas, é um facto que muitos jovens estão desempregados ou a recibos verdes… sem qualquer direito. Os que não estão a recibos verdes estão a contratos a prazo sem nenhuma expectativa de integrar e progredir numa carreira.

Muitos deles com formação superior são ultrapassados nos lugares disponíveis nas empresas por outros sem formação pois os empresários o que querem é pagar pouco. Muitos destes empresários não tem qualquer estudo e não gostam de quem os tem, muitos não têm qualquer projecto realmente interessante e a sua empresa é só mais uma que ou “engana” o Estado ou ilude o povo.

Muitos destes “chulos” usam as linhas de crédito do Estado para comprar mais um Mercedes e depois fecham a empresa e deixam os empregados que exploraram à responsabilidade social do mesmo Estado que já os ajudou.

E por terem conhecimento desta realidade muitos jovens aceitam trabalhar em situações muito precárias, quase como escravos depois de anos e expectativas, como dizem os Deolinda que “ mundo tão parvo / onde para ser escravo / é preciso estudar.”

 

E se os partidos de esquerda, tipo Bloco e PCP, deixassem de defender tanto os criminosos e os marginais que vivem à conta de rendimentos sociais de inserção que já se percebeu que não inserem coisa nenhuma e direccionassem esses incentivos para esses jovens para que estes pudessem comprar casa, (deixando a casa dos pais e dinamizando a economia), para que pudessem abrir empresas inovadoras e criar alguma coisa neste país?

E se os partidos de centro e direita, tipo PS, PSD e CDS deixassem a tanga das PMES e apoiassem as empresas, PMES ou não, que realmente produzem alguma coisa sem recorrer a trabalho escravo e esqueminhas e incentivassem essa mesma geração qualificada?

Mas claro, para isso é preciso coordenar, monitorizar e não “distribuir” dinheiro por uns quantos “boys” de umas quantas gerações como estes partidos estão habituados a fazer.

 

Espero que os jovens (e menos jovens) que se reunirem em Lisboa no dia 12 de Março tenham reivindicações concretas e ideias para mudar um sistema que é aos olhos de todos muito “parvo”.

 

3 comentários

Comentar post